JIFSC mostra que o esporte vai além das quadras, campos e pistas

30. junho 2016 | Escrito por | Categoria: Eventos, Matérias

A 5ª edição dos Jogos do Instituto Federal de Santa Catarina (JIFSC), disputada em Chapecó, contou com cerca de 1,2 mil atletas/alunos competindo por uma medalha. Mais do que isso, o JIFSC é um momento de interação entre os câmpus do IFSC e entre os alunos de cursos diferentes dentro do próprio câmpus. Também, é um momento de ver que o esporte é um grande aliado no aprendizado, tanto escolar, quanto como experiência de vida.

Para a professora Patrícia Fernanda Schons, do Câmpus São Miguel de Oeste, a atividade física, qualquer que seja a modalidade, está diretamente relacionada à capacidade que o indivíduo tem de desenvolver outras competências. “O Brasil é um pais em que muitas pessoas são obesas, e isso influencia diretamente com outros problemas de saúde, além de sobrepeso. Por isso, quanto mais mais se movimentar, melhor vai ser a saúde e por consequência o desempenho acadêmico, a relação com a família, enfim, com os colegas, em muitas formas”.

Ela completa reforçando que o JIFSC também é uma forma de interação diferente para os alunos, acostumados a conviver com o mesmo grupo na escola. “Só a forma como organizamos o hotel já foi uma forma deles conviverem com pessoas diferentes. Organizamos os quartos em ordem alfabética, então muitas pessoas que não se conheciam ficaram juntas e isso faz com que eles se permitam fazer novas amizades e conhecer melhor o colega. E isso é muito bom”.

Não apenas os professores pensam assim. Os alunos também veem o esporte como uma ferramenta importante no convívio com os colegas e com as atividades escolares. “Estamos sempre juntos, na vitória e na derrota. E isso não só melhora a saúde, como reforça a amizade. Se você esta jogando, está feliz, está se sentindo bem, tem mais força para estudar a as notas melhoram. É uma motivação para continuar ativo”, reforça a aluna do técnico em Edificações do Câmpus Criciúma, Júlia Fernandes.

Sua colega de basquete, Izabela Victória, que já está no JIFSC pela segunda vez, reforça o pensamento. “Eu acho que alem de melhorar em tudo, exige dedicação, exige esforço e isso se reforça quando estamos representando nossos colegas, como um time”, diz. “Tem pessoas do meu câmpus que eu nem conhecia, que depois de competir aqui no JIFSC agora já levo como amizade”, completa.

Espírito esportivo

Vencedores do JIFSC não foram apenas os medalhistas de cada modalidade. Um exemplo disso foi quando o chamado “espírito esportivo” esteve presente na disputa dos 5.000m masculino, incorporado pelo estudante Rafael Ramos, 20 anos, do Câmpus Chapecó. Já sem chances de conquistar o título da prova e cerca de três voltas atrás dos demais participantes, ele mesmo assim foi até o final, arrancando aplausos e recebendo apoio do público que assistia a corrida. “Eu nunca desisto. Essa é uma característica minha. A todo momento eu pensava: ‘eu vou conseguir’”, diz. Rafael está no último semestre do curso técnico integrado em Informática do Câmpus Chapecó e pela primeira vez participou do JIFSC.

Emoção e despedida

alunos_criciuma_jifscLogo após a cerimônia de premiação dos cursos técnicos integrados, na sexta (24), cinco estudantes do Câmpus Criciúma choravam abraçados na arquibancada do ginásio do Sest/Senat. O motivo: foi o último JIFSC deles juntos como turma do curso técnico integrado em Mecatrônica (eles se formam em julho). “O JIFSC é muito mais que integração. Aqui a gente faz amigos e aprende a amar pessoas que nem conhecia”, comenta Ian Alves. “É algo que a gente não queria perder”, completa Gustavo Carboni. Na foto ao lado, da esquerda para a direita, estão Bruno, Natália D’Agostin, Nicolas Cizeski, Ian e Gustavo.

Depoimentos

“Participar do ‪JIFSC está proporcionando conhecer pessoas de todo o estado, fazer novos amigos, interagir com nossos próprios colegas, e o melhor: estando na nossa casa. E ainda estamos ajudando a promover o esporte.” – Guilherme Oliveira, estudante do Câmpus São Miguel do Oeste.

“O esporte é uma ótima forma de aprendizado, para aprendermos a praticar esportes e também para a integração entre os colegas e os câmpus. E tudo isso acontece aqui no ‪#‎JIFSC2016.” – Luana Scapin, estudante do Câmpus São Miguel do Oeste.

“Como aluno, participei de jogos escolares. Agora como professor, estou ajudando os alunos como posso e dando apoio moral. Essa integração faz com que a gente saia da relação apenas de professor e aluno.” – Maurício Dalpiaz Melo, professor do Câmpus Araranguá.

“O ‪‎JIFSC‬ cresceu, tanto em estrutura, como hospedagem e alimentação. Os alunos sentem-se motivados porque são bem tratados e com isso as expectativas deles são alcançadas. E os pais deles sentem-se mais seguros também.” – Mozart Maragno, técnico em assuntos educacionais do Câmpus Araranguá (graduado em Educação Física).

Por Felipe Silva, Rafaela Menin e Rafael Xavier dos Passos | Jornalistas IFSC

Faça um comentário!