Câmpus Criciúma conquista bicampeonato estadual da Olimpíada de Robótica

19. agosto 2016 | Escrito por | Categoria: Câmpus Criciúma, Eventos, Matérias

A medalha de ouro da etapa catarinense da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) ficou com o Câmpus Criciúma do IFSC pelo segundo ano seguido. A equipe Megatron, formada por estudantes do segundo ano do curso técnico em Mecatrônica, foi a melhor entre 25 concorrentes na categoria Nível 2 (alunos de ensino médio e técnico) e agora vai representar Santa Catarina na etapa nacional da OBR, em outubro, em Recife. No geral, o IFSC acabou com oito equipes entre as 10 primeiras colocadas – incluindo seis das sete primeiras – na competição disputada no último sábado (13) em Blumenau.

A equipe Megatron (foto) é formada pelos estudantes Daniel Carvalho, Cristian Siqueira e João Bernardino, todos de 16 anos, e Rafael Teixeira, 17. “Treinados” pelo professor Douglas Lucas dos Reis, eles passaram os últimos meses trabalhando na montagem e programação do robô. “Foi muita persistência, trabalhar até tarde. Na Olimpíada, eles jogaram com a estratégia. E, principalmente, souberam lidar com os problemas que apareceram na hora”, afirma o professor.

Na OBR, um robô autônomo, montado e programado pelos alunos, precisa realizar tarefas em três pistas com níveis de dificuldade diferentes. Cada uma delas possui uma parte baixa, com obstáculos e irregularidades, e uma parte alta, onde estão as “vítimas” que precisam ser socorridas. O desafio está em montar um robô com estrutura adequada para cumprir as tarefas, programá-lo para superar diferentes tipos de obstáculos e, finalmente, ter alternativas caso ocorram problemas na hora da prova.

Jogando com o regulamento, os campeões decidiram priorizar que o robô completasse com perfeição a parte baixa das pistas, garantindo uma boa pontuação. A estratégia deu certo. “Para irmos bem na final nacional, vamos precisar completar a pista inteira. Agora é melhorar a programação e ajustar a mecânica do robô”, ressalta João.

Daniel relata que a preparação da equipe se concentrou na programação do robô. “Trabalhamos mais na programação do que na mecânica, já que utilizamos a base do campeão do ano passado, com melhorias. Dividimos a equipe entre montadores e programadores, mas no fim todos acabaram ajudando em tudo”, conta o estudante.

O trabalho em equipe – e entre equipes – foi um diferencial. Além de aproveitarem a experiência dos campeões de 2015, os alunos do Câmpus Criciúma também trocaram ideias que foram úteis na competição, como a instalação de uma iluminação própria nos robôs, para minimizar problemas com os sensores. Outro fator importante foram as duas etapas internas realizadas pelos professores de Mecatrônica, simulando no IFSC o que os alunos encontrariam na Olimpíada. “Foi ali que apareceram os erros e os alunos tiveram uma lista de problemas para resolver”, afirma Douglas.

Araranguá também consegue “pódio”

Em sua segunda participação na OBR, o Câmpus Araranguá conseguiu ótimas colocações com suas duas equipes, ambas formadas por alunos do terceiro ano do curso técnico em Eletromecânica: terceiro e quarto lugares. A equipe IFStorm, formada por André Cardoso Barbosa, Elizandro Gomes Fagundes, Jucemar Paes Neto e Irineu Maria de Oliveira ficou em terceiro lugar, uma posição acima do desempenho do ano anterior, quando conquistaram a medalha de melhor equipe estreante. Já a equipe IFMechanics, formada por Daniel Machado Barbosa, João Victor Honório Baran, Lucas Antonio Zavarize dos Santos e Thiago Gonçalves Mota, veio logo atrás, na quarta colocação.

“Nosso câmpus não tem tanta relação com a robótica, mas temos um projeto de pesquisa que busca estimular os alunos a trabalharem com robótica. Considerando que eram 25 equipes, foi um resultado muito expressivo”, afirma o professor Werther Serralheiro, que orientou as equipes.

O câmpus conta com apenas dois kits de robótica, adquiridos com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Tecnológico (CNPq), por meio do projeto desenvolvido pelo professor Werther. Ele destaca que alunos do primeiro e do segundo ano do curso de Eletromecânica também se envolvem na preparação, ajudando como voluntários. No desenvolvimento dos robôs para a participação na OBR, os alunos trabalharam conceitos de física, matemática, programação, entre outros, além de do espírito de equipe, estratégia e capacidade de solucionar problemas.

O Sul do Estado foi o destaque na etapa estadual da OBR, já que, além das equipes do IFSC de Araranguá e de Criciúma, apareceram ainda entre os quatro primeiros os estudantes do Colégio Maximiliano Gaidzinski, de Cocal do Sul, vice-campeões na categoria Nível 2.

O IFSC participou da etapa estadual da OBR, ainda, com equipes dos câmpus Florianópolis, Gaspar e Joinville. Confira abaixo a classificação por equipes da etapa estadual da OBR na categoria Nível 2.

1ª Megatron (IFSC, Criciúma)
2ª CMG Means (Colégio Maximiliano Gaidzinski, Cocal do Sul)
3ª IFStorm (IFSC, Araranguá)
4ª IFMechanics (IFSC, Araranguá)
5ª BlocoBuilders (IFSC, Florianópolis)
6ª Fritz (IFSC, Joinville)
7ª Tromb (IFSC, Criciúma)
8ª GoMark (Satc, Criciúma)
9ª Atlas (IFSC, Criciúma)
10ª Jola Champions Team (IFSC, Criciúma)
11ª Etevi – Alfa (Etevi, Blumenau)
12ª Extreme (IFSC, Gaspar)
13ª Chronos (IFSC, Joinville)
14ª Cyber Hungers (EEB de Araranguá)
15ª Rocket (IFSC, Gaspar)
16ª Ykbeta (EEB Walmor Ribeiro, Ibirama)
17ª Ziegel (IFSC, Criciúma)
18ª Robóticos do CC 2 (Colégio Catarinense, Florianópolis)
19ª Equpe Eagle (EEB Rui Barbosa, São Lourenço do Oeste)
20ª N3RO (EEB Apolonio Ireno Cardoso, Balneário Arroio do Silva)
21ª Sesi SC Nightfall (Sesi, Joinville)
22ª Snake Wars (EEB de Araranguá)
23ª Os Tios do Lego (EEB Humberto Machado, Itapiranga)
24ª Akatsuki (IFSC, Gaspar)
25ª N.R.G. EMI (EEB Irmã Irene, Santa Cecília)

 

Por Coordenadoria de Jornalismo, com informações de Daniel Cassol (Jornalista IFSC)

Faça um comentário!