Sepei 2016: câmpus compartilham experiências em mostra de protótipos

16. setembro 2016 | Escrito por | Categoria: Câmpus Criciúma, Eventos, Matérias

l1Robótica, telecomunicações, elétrica, mecânica, moda, gastronomia e arte são alguns dos eixos tecnológicos presentes na Mostra de Protótipos instalada no hall de entrada do Câmpus Criciúma, na quinta edição do Seminário de Ensino, Pesquisa, Extensão e Inovação (Sepei). Durante três dias (13 a 15), uma espécie de feira multissetorial apresenta resultados de pesquisa, trabalhos de extensão e projetos integradores desenvolvidos pelo IFSC em diferentes áreas.

l2Do Câmpus Chapecó, o estudante Eduardo Figueiredo, do curso de Engenharia de Controle e Automação, trouxe um modelo de turbina hidráulica para pequenas quedas e baixas vazões, capaz de produzir energia elétrica com baixo custo e menor impacto ambiental. O projeto, da Equipe Aprova, foi um dos finalistas do Desafio IFSC de Ideias Inovadoras, no ano passado. “O modelo é baseado no parafuso de Arquimedes, que ainda não é usado no Brasil, mas muito comum no exterior”, explica Eduardo, que já participou do Sepei em 2014. “É uma experiência muito válida para ver as tendências de pesquisa e tecnologias.”

l3Outro projeto premiado é o hidrone criado pelos alunos do curso de Engenharia Mecatrônica do Câmpus Florianópolis. Trata-se de um protótipo de veículo aquático com câmera, desenvolvido para capturar imagens próximas do barco solar do Câmpus, usado nas competições nacionais de barcos movidos a energia solar. Segundo o aluno Marcos Moraes, o hidrone permite que a equipe em terra consiga acompanhar, em tempo real, o que está acontecendo com o barco competitivo. Em 2015, o hidrone conquistou o Prêmio Fernanda Amorim de Inovação Tecnológica.

l4O mesmo conceito de comunicação remota faz parte do projeto de pesquisa apresentado pelo estudante Bruno Antônio Pinho, do curso de Engenharia de Telecomunicação, do Câmpus São José. O sistema automatizado para inspeção de dutos de ar condicionado, que usa um robô com uma câmera acoplada, foi concebido a partir de uma demanda de mercado. “Atualmente, os poucos modelos existentes são de empresas que atuam com aluguel e que cobram por metro quadrado, o que é inviável para empresas que precisam vistoriar os dutos de ar constantemente, como os hospitais”, conta Bruno.

l5Já a atração do estande do Câmpus Lages é um jogo de computador baseado no Breakout, que tem como regra básica mover uma plataforma de um lado para o outro para rebater uma bolinha. O jogo desenvolvido especialmente para o Sepei é um exemplo de aplicação do processamento de imagem. Conforme explicação do aluno Gabriel Tiezatto, do curso de Ciências da Computação, “em vez das setas do teclado, o controle é feito pelo movimento de qualquer objeto com cor pré-determinada no programa e capturado pela câmera do computador”.

l6Um dos destaques do Câmpus Criciúma é a pista de competição montada logo na entrada, onde o aluno Cristian Augustinho Siqueira, do curso técnico em Mecatrônica, faz a demonstração do robô Megatron, campeão da modalidade prática da Olimpíada Regional de Robótica (OBR), realizada em agosto, em Blumenau. “É interessante mostrar o nosso trabalho e conhecer os projetos dos outros câmpus. Tem bastante coisa legal”, ressalta.

Por Liane Dani | Jornalista IFSC

Tags:

Faça um comentário!